redes sociaisAs mídias sociais e a evolução espiritual

Sem sombra de dúvidas a tecnologia veio para prolongar e facilitar nossas vidas a medida que nos traz novos conhecimentos e novas possibilidades, entretanto o que muito pouco se discute é a interferência que a tecnologia possui dentro das relações interpessoais e consigo mesmo.

É comum vermos perfis de pessoas extremamente felizes nas mídias sócias, pessoas que viajam, vivem experimentando coisas novas, estão sempre circundadas de amigos, mas não distante logo após do flash voltam à depressão.

Na realidade a necessidade de possuir uma vida como vitrine nos tira a emoção de vivenciá-la momentaneamente, porque na maioria das vezes estamos mais preocupados em como a foto vai ficar, do que o que realmente estamos sentindo naquele momento.

Este tipo de comportamento é um ciclo vicioso, pois não há satisfação com o que se tem, uma vez que a mídia traz milhões de mensagens “mais felizes ou mais desafiadoras” que a sua postada um minuto atrás, denotando a fugacidade que estamos vivemos. Funciona quase como uma guerra branca onde todos são inimigos, havendo união momentos de coalisão social breve, logo regressando ao rivalismo.

Você já parou para pensar quanta insatisfação esta forma de viver gera? Você sempre vai querer viajar pra onde a fulana foi, ou namorar alguém como o beltrano, sem falar em ter coisas. Isto além de nos tirar do momento presente, porque a vida do outro não é a sua, portanto você não pode vivenciá-la, como também nos distancia do estado de Gratidão, tão importante para termos paz interior.

Quem é que nunca presenciou uma pessoa extremamente down soltar o maior sorriso do mundo para tirar uma selfie e voltar ao seu estado “natural” de descrença na vida logo em seguida?

Na realidade estar depressivo é desacreditar na vida que há em você, pois o estado natural do ser humano é pleno, prospero e feliz. Somos nós que trazemos o oposto para nossas vidas a medida que passamos a acreditar nas dificuldades existentes, na violência, na descrença e na desilusão.

Quanto mais mostramos ser quem não somos, mais estamos ressaltando a energia da mentira neste planeta, nós a estamos ajudando a se propagar e crescer e nos encurralando em um mundo irreal.

Nós somos os responsáveis por tudo o que acontece não só em nossas vidas, como também somos responsáveis por formar a energia coletiva que materializa o mundo em que vivemos. Portanto quando você se deparar com algo que lhe faça vivenciar a raiva, pare-a imediatamente porque senão você se tornará parte de toda o ódio existente no mundo e será de imensa hipocrisia culpar os menos sabidos por seus atos de horror.

O mundo em que vivemos precisa de amor, de perdão e de verdade. Se cada um de nós cuidarmos dessas vertentes em suas próprias vidas, transformaremos nossas energias pessoais e por consequência a energia coletiva do planeta, passando a moldar positivamente nossa forma de viver.

Observem-se em suas rotinas, estou postando algo irreal ou realmente estou sendo fiel aos meus sentimentos? Estou propagando o ódio ou o amor para o mundo em que vivo, em que meus familiares e amigos vivem? Como são os reflexos de meus atos ultimamente?

Aprenda a ser benevolente consigo próprio e com o próximo. Somos nós que decidimos o que iremos fazer com o lixo vindo das mídias sociais, se abriremos as portas para que entrem na nossa vida ajudando a incrementá-lo ou se ficaremos da janela olhando e emanando luz, através do desapego, do perdão e porque não da omissão do negativismo.

A mente do ser humano trabalha fabricando emoções aprisionantes através da identificação com o sofrimento, com a raiva e muitas outras emoções negativas e, é assim que mantemos nós e a todos aprisionados nesta negatividade que nos paralisa e nos impede de crescer e evoluir.

A partir do momento em que optarmos viver na luz, nos mantendo distantes das mensagens de aprisionamento contadas pela mídia e pelos envenenados por ela, retomaremos as rédeas de nossas vidas.

Em tudo neste planeta há o positivo e o negativo, eu escolho pela positividade e você?